23 de abril de 2010
Em comparação a modelos convencionais, implemento é 40% mais leve, tem maior capacidade de carga, vida útil superior e custo equivalente

Mirian Blanco |

A Tecar Tecnologia em Cargas, fabricante nacional de autossocorros em aço, iniciou a produção da primeira linha brasileira de plataformas guincho 100% de alumínio. “Nossa expectativa é que esse produto lidere o segmento em poucos anos”, diz Guilherme Saboia, gerente de marketing da empresa. A aposta se deve aos diferenciais competitivos do implemento: peso total de 1500 kg (cerca de 40% mais leve que a versão em aço); maior capacidade de carga que os modelos convencionais (mais 3500 kg); durabilidade superior e custo equivalente ao do modelo fabricado em aço – “quase o mesmo”, diz Saboia sem revelar exatamente o preço de venda.

“Nos EUA, onde a plataforma guincho de alumínio já está consolidada, a participação de mercado do implemento passou de 30% a 70% em cinco anos”, compara. “Aqui, o cenário não deve ser muito diferente porque o produto é, sem dúvida, muito competitivo em termos de qualidade e custo”, diz o gerente. A Tecar pretende fechar o ano com 150 unidades em alumínio vendidas. Hoje, no total entre aço e alumínio, a empresa comercializa 400 plataformas/ano.

“Custa quase o mesmo que a de aço”
O diferencial de precificação da plataforma de alumínio, com preço de venda similar ao implemento de aço, é resultado da parceria da Tecar com a Alcoa, líder mundial na produção de alumínio. Juntas, as empresas projetaram perfis extrudados de alumínio da liga da família 6XXX, com grandes diâmetros, diminuindo o número de etapas na fase de montagem. “Como os perfis vêm prontos para o encaixe, a montagem é muito rápida; além disso, o uso de perfis de alumínio dispensa serviços como tratamento de pintura e funilaria. Por isso, conseguimos dobrar nossa capacidade diária de produção em relação às plataformas em aço”, informa Saboia.

Para Reginaldo Otsu, gerente de produto industrial da divisão de extrudados da Alcoa, a melhoria do processo de fabricação mostra as potencialidades do alumínio em termos de projeto. “A solução desenvolvida junto a Tecar, na fabricação de plataformas guincho, quebra o paradigma de custo do alumínio, comprovando que quando há planejamento e projeto, o alumínio é uma solução comercialmente viável e com desempenho muito superior aos materiais convencionais”, diz.

“700 kg a mais de carga disponível”
Para os guincheiros, a leveza da plataforma de alumínio se reverte em economia de combustível e de gastos com manutenção (de freios e pneus) – fatores determinantes para a lucratividade no segmento –, além de redução das emissões atmosféricas do veículo. Adicionalmente, o peso economizado pelo uso do alumínio pode ser revertido em aumento da capacidade de carga transportada, sem desrespeito aos limites de peso por eixo e por conjunto de eixos estabelecidos pela Lei da Balança. “Para os guincheiros, a Lei da Balança é bastante crítica porque ao contrário de outros segmentos de transporte, que têm veículos próprios para cada perfil de carregamento, no serviço de autossocorros, cada atendimento é único e tem carga diferente. Por isso, ter 600 kg ou 700 kg a mais de carga disponível, a depender do módulo, é, para o guincheiro, uma tranqüilidade a mais na Balança”, explica Saboia, em referência a diferença de peso entre a plataforma de alumínio e a de aço.

A durabilidade do material é outra vantagem na conta do custo x benefício do implemento. “Em aço, uma plataforma guincho dura em média cinco anos. Em alumínio, a vida útil passa para sete a dez anos, especialmente em áreas litorâneas, por conta da resistência à corrosão do alumínio”, diz o gerente da Tecar. Segundo ele, o aspecto visual também é favorecido pelo uso do metal não ferroso, já que o aparecimento de pequenos riscos, comuns nesse segmento, fica muito mais aparente em superfícies que receberam tratamento de pintura.
Por fim, os ganhos da revenda do implemento de alumínio ao final de sua vida útil, dado o alto valor residual no mercado da sucata do metal, 100% reciclável, fecha o cálculo das vantagens da plataforma de alumínio frente aos materiais convencionais.

Caminhões semi-pesados entram no páreo.
O uso do alumínio na fabricação de plataformas guincho tem aberto um novo mercado para veículos com peso bruto total (PBT) inferior a oito toneladas. “Agora, com o implemento mais leve, caminhões com cinco, seis ou sete toneladas de PBT, que nunca haviam participado desse segmento, tem condições de suportar uma plataforma guincho e disputar sua fatia no mercado”, conta Saboia.A Iveco é uma das montadoras que tem aproveitado a oportunidade. A fabricante instalou o equipamento em algumas unidades da linha Delivery, categoria com cinco toneladas de PBT e estreante no nicho de autossocorro. “Também vendemos três plataformas para caminhões da Mercedes Benz com sete toneladas de PBT e estamos prospectando unidades da Ford”, diz o gerente da Tecar.
Tecar substitui aço por alumínio na fabricação de plataformas guincho
Um comentário sobre a matéria:
  • 16/07/2018 em 17:56

    Favor entrar em contato conosco.
    Estou interessado em adquirir uma plataforma guincho de aluminio

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *