17 de abril de 2020
Documento apresenta estratégias para que a Europa atinja a plena circularidade do alumínio até 2030

Por Marcio Ishikawa |

A European Aluminum lançou um Plano de Ação do Alumínio Circular , baseado na visão do setor para 2050, trazendo recomendações de ações para aumentar as taxas de reciclagem. De forma geral, o objetivo é garantir que todos os produtos de alumínio em final de ciclo de vida sejam coletados e reciclados com eficiência na Europa até 2030, garantindo a plena circularidade.

Plano de Ação Circular do Alumínio

De acordo com o documento, o alumínio encontra-se na base de cadeias de valores que geram produtos e materiais essenciais da transição da Europa para uma economia circular e neutra em relação ao clima. No início do século, o consumo de alumínio na Europa era de 9 milhões de toneladas por ano, enquanto hoje o volume subiu para 13,5 milhões de toneladas e continua crescendo, devendo chegar a 16 milhões de toneladas em 2030 e 18 milhões em 2050.

No Plano de Ação do Alumínio Circular, a European Aluminium lembra que o alumínio pode ser combinado com diferentes elementos, fornecendo ligas com um amplo espectro de propriedades (leveza, condutividade, maleabilidade, durabilidade, impermeabilidade e múltipla reciclabilidade), capaz de ajudar diferentes setores a atingir suas metas de emissão de CO2, em especial o setor de transportes, ressaltando ainda que o processo de reciclagem utiliza apenas 5% da energia necessária para a produção primária do metal.

“A indústria do alumínio está comprometida em ajudar a entregar o Acordo Verde Europeu, com base em seu compromisso de longa data com a sustentabilidade. Nosso objetivo final é atingir todo o potencial da circularidade do alumínio até 2030”.
Gerd Götz, diretor geral da European Aluminium, sobre o Plano de Ação do Alumínio Circular 

A reciclagem do alumínio no setor de transportes
Na União Europeia, todos os veículos em final de ciclo de vida devem ser recolhidos, tratados e recuperados – a legislação atual exige que 95% dos materiais sejam recuperados e 85% devem ser reutilizados ou reciclados. No caso do alumínio, são reciclados mais de 90% do metal recuperado.

Plano de Ação Circular do Alumínio

Recente estudo da DuckerWorldwide prevê aumento de 40% no conteúdo médio de alumínio nos carros produzidos na Europa até 2028. Na prática, isso significa que a indústria de reciclagem de automóveis está no início de uma nova era.

De acordo com o Plano de Ação do Alumínio Circular, o principal desafio no setor de transportes é assegurar a separação entre chapas, extrusões e fundidos, criando um ciclo fechado para cada tipo de produto. Atualmente, após a desmontagem, os diferentes tipos de alumínio acaba sendo misturados, fazendo com que o único destino possível após a reciclagem seja como fundidos. 

A separação efetiva da sucata permitiria a criação de um ciclo fechado para chapas e extrusões, permitindo que sejam reciclados e reintroduzidos na Economia na forma desses mesmos produtos, aumentando o valor agregado da sucata. Para isso, grandes componentes com um número limitado de materiais – como motores, transmissões, trocadores de calor, portas, capôs, paralamas e parachoques – devem ser desmontados e ter seu material separado antes de serem triturados.

Além disso, para o tratamento mais adequado dos veículos em final de ciclo de vida por desmanches e recicladores, o documento sugere a disponibilização de informações mais detalhadas no Sistema Internacional de Informações sobre Desmantelamento (IDIS), tal como atualmente acontece com as substâncias perigosas.

A separação efetiva por tipo de produto de alumínio é particularmente importante frente às previsões para as próximas décadas, que apontam que a principal aplicação de fundidos, os blocos de motores a combustão, tende a cair significativamente, na mesma proporção que cresce a participação dos veículos elétricos. Entre 2019 e 2025, a previsão é de que a demanda por fundidos cresça 2%, contra 27% das chapas, 41% das extrusões e 5% dos produtos forjados.

Há também uma recomendação voltada para os projetos que serão desenvolvidos a partir de agora: o processo de reciclagem deve ser pensado desde o início, tanto em termos de design de sistemas e componentes, tendo em vista a necessidade futura de desmontagem e separação, como no desenvolvimento de novas ligas.  Já outro ponto diz respeito à manutenção dos veículos em fim de ciclo de vida no próprio continente – buscando eliminar a exportação de sucata que acontece atualmente, principalmente para a Ásia.

O Plano de Ação do Alumínio Circular ainda cita a sucata pré-consumo, originada nas linhas de produção, durante o processo de transformação de produtos semi-acabados em produtos finais. Muitas empresas já possuem sistemas fechados para o recolhimento e destinação dessa sucata – como a Ford, Jaguar Land Rover, BMW e Volvo. Nesse caso, segundo a European Aluminium, o objetivo é melhorar a eficiência produtiva para limitar a geração de sucata e assegurar uma boa taxa de recuperação no sistema.

Panorama geral
Plano de Ação Circular do Alumínio
A reciclagem do alumínio em fim de ciclo de vida já é significante no continente europeu. As taxas de reciclagem de alumínio são positivas, comparadas com outros materiais, ficando acima de 90% no setor automotivo e de construção. No caso das latas de bebidas, a reciclagem chega a 75%.

O alumínio reciclado já tem uma significante contribuição, representando 36% do atual fornecimento de alumínio na Europa, mas o Plano de Ação do Alumínio Circular afirma que existem grandes oportunidades à frente, baseado nas projeções de crescimento do consumo. O montante de alumínio pós-consumo disponível para reciclagem irá mais que dobrar, passando de 3,6 milhões de toneladas por ano para 6,6 milhões em 2030 e 8,6 milhões em 2050, quando 50% da demanda por alumínio na indústria pode ser atendido por meio da reciclagem. 

O documento da European Aluminium ainda aponta que a coleta do alumínio disponível na Europa na forma de sucata não é apenas uma iniciativa que ajudará a reduzir as emissões de CO2, mas também uma oportunidade econômica significativa que pode ajudar a indústria européia do alumínio a atender a demanda interna. Atualmente, o reprocessamento do alumínio em final de ciclo de vida em matéria prima é um mercado de 3 bilhões de euros – e pode crescer para até 12 bilhões de euros em 2050.

Leia também:
– Alumínio nos carros: 256 quilos na América do Norte em 2028
– Jaguar Land Rover amplia uso de alumínio reciclado
– Compartimentos de baterias: extrudados estão ganhando preferência

Plano de Ação do Alumínio Circular da European Aluminium

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *