15 de outubro de 2019
Fabricante paranaense mostrou a segunda geração do seu basculante de alumínio, que ficou ainda mais leve

Por Marcio Ishikawa |

Pioneira no uso do alumínio na produção de implementos rodoviários voltados para o transporte de grãos no Brasil, a Noma apresentou a segunda geração do seu rodotrem basculante de alumínio na Fenatran 2019. Com capacidade para carga líquida de 51 186 kg, o modelo é indicado para o transporte de grãos, farelo, açúcar e insumos em geral para o plantio.

Noma: basculante de alumínio

Desenvolvido a partir de uma parceria com a italiana Menci, a segunda geração se utiliza de nova liga de alumínio, que aumentou a sua resistência a torções e vibrações e ao desgaste em geral. Além disso, o seu peso também foi reduzido: agora, são 13 314 kg de tara (com rodas também de alumínio e incluindo 13 pneus), contra 14 240 kg da primeira geração. A capacidade volumétrica da caixa também aumento de 36 para 37 m³.

Noma: basculante de alumínio

Já em relação a um modelo convencional em aço, a diferença é de aproximadamente 2,5 toneladas. É importante lembrar que essa diferença na tara do implemento se reverte em uma maior quantidade de produto transportado, resultando assim em mais eficiência logística e em lucratividade para o transportador.

Aposta no alumínio
Josué de Araújo, gerente de engenharia da Noma, ressalta que o alumínio tem outras vantagens além da questão do peso reduzido. “Alguns clientes buscam os implementos em alumínio em função de sua maior durabilidade, pois é mais resistência à corrosão”, explica. “Já outros, por conta da higiene, pois o alumínio elimina o risco de contaminação dos produtos.”

Araújo explica que boa parte do preconceito em relação aos implementos em alumínio se deve a projetos que acabaram não foram desenvolvidos corretamente e apresentaram falhas, mas a culpa caiu sobre o material”. É importante lembrar que o alumínio demanda projetos específicos para suas características – ou seja, não é possível pegar um projeto feito para o aço e fazê-lo em alumínio.

Aos poucos, o estigma que sempre rondou o setor de implementos rodoviários em relação aos produtos em alumínio está se dissipando – e há transportadores que, ao fazerem as contas, estão percebendo as vantagens do alumínio para o seu negócio. “Temos um cliente que comprou primeiro comprou duas carretas,. Depois, pediu outras quatro. No fim, ele já está com mais de 40 implementos de alumínio rodando no Brasil”, afirma Kimio Mori, diretor de Relações com o Mercado da Noma.

Leia também:
– Ganhos logísticos com o alumínio no transporte de cargas
– Sistemas de piso móvel para implementos rodoviários
– O potencial rodoviário dos caminhões tanque no mercado brasileiro

Noma reforça aposta no alumínio na Fenatran

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *