16 de maio de 2016
Características do alumínio permitem uso da adesivagem na montagem de implementos de até seis metros, oferecendo muitas vantagens ao fabricante e transportador

Por Marcio Ishikawa |

A Rossetti Implementos Rodoviários irá colocar no mercado, até o final de 2016, um furgão de alumínio totalmente colado, modelo sobre chassi, de até seis metros. Com exceção da parte estrutural, o implemento é totalmente adesivado, sem a utilização de rebites para a fixação das chapas de alumínio . Oferecendo uma série de vantagens para o transportador, o projeto é fruto de uma parceria da empresa com divisão de fitas e adesivos da 3M no Brasil.

Furgão de alumínio 100% colado: redução significativa no tempo de montagem
Furgão de alumínio totalmente colado: redução no tempo de montagem e vantagens para fabricante e consumidor

Será o primeiro implemento rodoviário a utilizar a tecnologia de fitas adesivas dupla face – já aplicada na colagem dos painéis laterais em ônibus e também na produção de trailers nos Estados Unidos (leia mais sobre técnicas de união para o alumínio aqui). O primeiro protótipo, feito a partir da adaptação de um modelo rebitado, foi mostrado na Fenatran 2015. “Já é comum no mercado a colagem do teto desses furgões, mas nós queríamos ampliar os ganhos desse produto”, explica Peter Oliveira, analista de marketing da Rossetti. “Sabíamos que com o uso dessa tecnologia conseguiríamos oferecer vantagens para o cliente final.”


Apesar de não ser o modelo definitivo que chegará ao mercado, os
benefícios apresentados nessa primeira fase foram extremamente positivos. “O principal ponto é a eliminação de 700 rebites, que representa um ganho extraordinário na montagem em termos de tempo e trabalho”, diz Oliveira. Um furgão rebitado leva de 15 a 30 dias para ficar pronto – já a versão adesivada pode ficar pronta em apenas três dias. “Trata-se de uma diferença considerável para os clientes, que poderão colocar o implemento para rodar e começar a ganhar dinheiro muito antes.”

A adesivagem substitui todo o processo de furação e aplicação dos rebites, que é exatamente a parte mais demorada na montagem do implemento. Além do ganho no tempo de montagem, Oliveira também afirma que a fita dupla face melhora a resistência do conjunto. “Como ela é colada integralmente em toda a extensão das chapas, a área de fixação é muito maior em comparação com os rebites, que são posicionados espaçadamente”, explica. Além disso, outra vantagem apontada pelo analista é que, como não há emendas aparentes, o implemento ganha um aspecto estético muito melhor, com uma superfície ideal para ser adesivada, servindo para a divulgação da marca ou produtos do cliente.


A fita dupla face ainda exerce duas outras funções. A primeira é a de vedação, impedindo com grande eficiência a penetração de água. “Realizamos diversos testes de simulação de chuva, todos concluídos com sucesso absoluto”, conta Oliveira, explicando que os testes também incluiram jatos laterais, em diversos ângulos, e até de baixo para cima, sem que houvesse nenhum tipo de infiltração. Já a segunda função é a de amortecimento, pois elas impedem que as chapas se toquem diretamente, reduzindo as vibrações e também o nível de ruído. Segundo estudo da 3M realizado nos Estados Unidos, um trailer adesivado é 41% mais silencioso que um convencional rebitado.

A adesivagem também oferece uma vantagem no que tange à reparabilidade do implemento. Nos implementos rebitados, quando acontece algum dano nas chapas, o procedimento padrão é remover a parte afetada e soldar uma placa no lugar, de modo a não mexer na área dos rebites. Esse procedimento deixa o remendo evidente, prejudicando a parte estética e desvalorizando o furgão. Com a adesivagem, o processo padrão de reparo é a retirada da chapa afetada e a sua substituição integral. A remoção é feita com um fio de aço sendo passado entre as duas partes coladas, removendo mecanicamente o material que compõe a fita. Após a separação, é necessário fazer uma limpeza com produtos abrasivos para se fazer a remoção dos resíduos.

Além de permitir mais eficiência na produção, a novidade também contribuirá para a saúde dos funcionários da empresa, já que o processo de fixação dos rebites gera elevados níveis de ruído. Mesmo usando os dois protetores auriculares demandados por lei, um interno e outro externo, trata-se de uma atividade com fator de risco à saúde do trabalhador.

Novo projeto
Atualmente, a Rossetti está trabalhando na reformulação do projeto do furgão, adequando-o à adesivagem. “Ele será redesenhado, pois o uso da fita adesiva permite que usemos colunas mais simples, com menos pontos de apoio”, explica Oliveira. Com isso, haverá uma redução no peso do implemento (a Rossetti não precisa exatamente quanto), que será convertido em mais capacidade de carga para o transportador.

Segundo a Rossetti, novidade chegará ao mercado no final de 2016
Segundo a Rossetti, o furgão de alumínio totalmente colado chegará ao mercado no final de 2016

Além disso, a empresa também redesenhará os processos de produção, com foco na adesivagem. Por exemplo, o trabalho de montagem da parte estrutural pode ser feito antecipadamente, deixando vários kits, adequados para os vários tipos de chassi disponíveis, prontos para serem instalados, o que não é possível quando se usa os rebites. Com isso, a expectativa é que o ganho no tempo de entrega do implemento possa ser reduzido em mais algumas horas.

Após o lançamento comercial, a Rossetti ainda manterá a versão rebitada à venda, pelo menos até que o mercado sinta-se mais à vontade com a novidade. “O mercado é bastante conservador em relação às novidades”, diz Oliveira. “Mas acredito que, com o tempo, as vantagens serão evidentes e a tendência de todo esse mercado de furgões de alumínio de até 6 metros siga esse mesmo rumo.”

Fita dupla face
A fita dupla face utilizada no projeto da Rossetti é fornecida pela 3M. “Sua aplicação acontece em vários setores industriais, desde a contrução civil até a de eletro-eletrônicos”, diz Renata Decourt, gerente de marketing para o mercado de transporte da divisão de fitas e adesivos da 3M no Brasil.  


A Rossetti utiliza a fita 4960, da família VHB, com espessuras de 1,6 a 2,4 milímetros. O processo de aplicação, segundo Decourt, é relativamente simples, mas demanda atenção com a limpeza das áreas de contato e, evidentemente, com o posicionamento e pressionamento correto das partes a serem unidas. “No caso do furgão, todo o processo é feito manualmente, mas há outras aplicações em que as empresas optam por desenvolver um processo automatizado”, explica a gerente de marketing. Ela garante que, respeitadas as orientações quanto à aplicação, não existe nenhum risco de descolamento e a resistência e durabilidade é bastante superior ao processo que utiliza rebites.

Furgões sem rebites

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *