20 de setembro de 2018
Alumínio está na estrutura e painéis de fechamento, além do case de proteção e módulo de baterias

O Audi e-tron foi apresentado oficialmente pela marca alemã no último dia 17, em São Francisco, nos Estados Unidos. O SUV médio de cinco lugares que é o primeiro modelo elétrico puro com o logo das quatro argolas a chegar ao mercado.

Audi e-tron

Dotado de dois motores elétricos, um em cada eixo (125 kW na dianteira e 140 kW na traseira), tem potência combinada de 265 kW, equivalente a 357 cavalos, com torque de 57,2 mkgf. A promessa é de uma autonomia real superior a 400 quilômetros por carga, aceleração de 0 a 100 km/h abaixo de seis segundos e velocidade máxima de 200 km/h, limitada eletronicamente.

A carga completa das baterias do Audi e-tron é feita em até dez horas com o carregador de 9,6 kW do padrão americano. Já com o padrão europeu, de 11kW, o processo acontece em até 8 horas e meia. A Audi promete disponibilizar carregadores rápidos, de 22 kW, que completa 100% da carga do e-tron em 4,5 horas, e outro de 150 kW, que completa o serviço em aproximadamente 30 minutos.

Em termos de design, o Audi e-tron de produção ficou muito próximo do conceito revelado em 2015. Os elementos típicos de estilo da linguagem atual da marca, como a grade frontal octagonal, o formato dos faróis e lanternas, se fazem presentes. O elétrico se integra bem à atual linha da Audi, não é um “estranho no ninho”.

Alto conteúdo de alumínio

O elétrico é baseado em uma versão modificada da plataforma MLB usada por boa parte dos modelos da marca equipados com motor a combustão – incluindo A4, A5, A6, A7, A8, Q5, Q7 e Q8 – e que já fazem uso de um grande conteúdo de alumínio. A principal adaptação aconteceu no assoalho, para acomodar o conjunto de baterias de íons de lítio.

O fundo do veículo é totalmente fechado por uma placa de alumínio, visando a proteção contra água, pedras e detritos. O sistema de baterias, com 2,28 metros de comprimento, 1,63 de largura e 34 de altura, está acomodado abaixo da cabine, em 36 células modulares formadas por estruturas de alumínio, cada uma com o tamanho aproximado de uma caixa de sapatos e organizadas em dois níveis.

“Nós desenvolvemos inúmeras competências internas para o Audi e-tron, como a tecnologia da bateria e o próprio sistema de propulsão. E os funcionários repensaram, planejaram e implementaram muitas etapas de produção”

Patrick Danau,diretor executivo da Audi Bruxelas – o elétrico será produzido na planta da Audi na Bélgica

O sistema opera com voltagem nominal de 396 volts e 95 kWh de energia e é dotado de um sistema de refrigeração formado por seções de alumínio extrudado dividido em pequenas câmaras, localizado abaixo das células. A troca de calor entre as células e o sistema de resfriamento abaixo delas ocorre através de um gel termicamente condutivo disposto sob cada módulo. O sistema de refrigeração inclui a grade frontal ativa, que se abre toda vez que for necessário ar para refrigerar o sistema – do contrário, fica fechado para privilegiar a aerodinâmica.

Um quadro de alumínio treliçado sustenta os módulos de células e também protege os blocos de bateria e está integrado à parte inferior do Audi e-tron em nada menos que 35 pontos de fixação. Ou seja, o sistema de baterias está integrado à estrutura do veículo, melhorando a sua rigidez torsional. Além disso, segundo a Audi, o fundo plano também promove uma redução no coeficiente de arrasto aerodinâmico, contribuindo para uma melhor eficiência energética.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Outras atrações
O Audi e-tron conta vários detalhes e novidades que chamam a atenção. O sistema de freios é do tipo regenerativo, ou seja, ele acaba funcionando como um gerador durante o seu acionamento. Chamam a atenção, também o sistema de retrovisores por câmeras, ao invés dos tradicionais espelhos.

O sistema de suspensão é capaz de ajustar a altura do Audi e-tron em até 8 centímetros. Em velocidades mais elevadas em uma rodovia, por exemplo, o sistema baixa o veículo automaticamente, reduzindo o arrasto aerodinâmico e melhorando a performance. É possível realizar a operação manualmente, também, seja para superar obstáculos ou para facilitar o embarque e desembarque de passageiros.

Na cabine, o motorista conta com o painel de instrumentos digital configurável, além de duas telas sensíveis ao toque dispostas na área central do painel. Uma delas é dedicada ao sistema de entretenimento e navegação, enquanto a outra concentra os ajustes de climatização e ajustes do veículo. O sistema de navegação, por sinal, integra dados de tráfego em tempo real e leva em conta a carga das baterias. Se não for possível chegar a um destino desejado, o sistema (ao menos nos Estados Unidos e Europa) já dará opções de estações de carregamento.

A marca revelou que, nos Estados Unidos, preço do Audi e-tron começa em 75.795 dólares na versão de acabamento Premium Plus e 82.795 a versão Prestige. Será vendido, também, uma edição especial chamada First Edition, custando  87.695. No Brasil, a expectativa é que os primeiros modelos cheguem às concessionárias no segundo semestre de 2019, ainda sem preço definido.

Leia também:
– Audi PB e-tron, o conceito de superesportivo elétrico
– Novo Jaguar I-Pace faz uso intensivo de alumínio
– Audi e Porsche: desenvolvimento conjunto de arquitetura para veículos elétricos
– Carros elétricos vão transformar a demanda de alumínio na indústria automobilística

Audi e-tron, o primeiro modelo elétrico da marca

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *