20 de março de 2020
Segundo Altech Chemicals, próxima geração pode utilizar eletrólito sólido de óxido de polietileno com alumina de alta pureza

Por Marcio Ishikawa |

A Altech Chemicals, empresa australiana especializada no fornecimento de alumina, divulgou um relatório em fevereiro passado no qual detalha a expectativa de um aumento significativo no uso da alumina (Al2O3) de alta pureza na próxima geração de baterias de íons de lítio – que pode ter um impacto para a indústria automobilística e de transporte em geral, no processo de eletrificação.

Alumina

Isso porque um design promissor que utiliza alumina 4N e eletrólito de estado sólido pode deixar para trás algumas das limitações inerentes ao atual design da bateria de íons de lítio. As baterias atuais utilizam eletrólitos líquidos, que são altamente corrosivos, inflamáveis e operam em uma faixa de temperatura bastante limitada. Além disso, é recorrente a formação de dendritos – acúmulo de lítio na superfície dos eletrodos, reduzindo o número de íons que transportam energia e que ainda podem provocar curto-circuito.

Ainda segundo a Altech, entre os principais candidatos a principal material eletrolítico de estado sólido está o óxido de polietileno (PEO), que é feito de uma mistura de sal de lítio e um polímero de alto peso molecular. No entanto, este material possui baixa condutividade de íons a temperaturas mais baixas, devido ao processo de cristalização do polímero.

É nesse ponto que entra a alumina: a Altech cita pesquisas que mostram com a mistura de alumina 4N em quantidades entre 10 e 15%, a temperatura de cristalização é suficientemente reduzida para manter o polímero livre da formação de cristais, permitindo que ele continue sendo condutor de íons também a temperaturas mais baixas. Além disso, a alumina aumenta a resistência do polímero e também melhora a performance nos ciclos de recarga. 

Atualmente, além das baterias de íons de lítio, a alumina já é utilizada em aplicações em semicondutores, iluminação de LED, telas de plasma e lentes ópticas, dentre outras.

Leia também:
– Compartimento de baterias: extrudados estão ganhando preferência
– Estudo aponta solução para baterias de íons de alumínio
– Novelis apresenta compartimento de baterias em chapas de alumínio

Demanda por alumina pode crescer com baterias de íons de lítio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *