23 de setembro de 2016
Estudo da Ducker Worldwide conclui que o conteúdo de alumínio nos automóveis da Europa deve crescer 30% na próxima década

Por Marcio Ishikawa |

A Ducker Worldwide divulgou os resultados do seu novo estudo sobre a utilização do alumínio nos automóveis produzidos na Europa. Segundo ele, o conteúdo de alumínio nos veículos leves pode aumentar até 30% nos próximos dez anos – e a quantidade do metal usado pode saltar da média atual de 150 quilos por veículo, estimada em 2016, para perto de 200 quilos em 2025. Essas são as previsões do cenário otimista do estudo – na versão conservadora, o aumento seria de 18,3%, chegando a 178 quilos de alumínio por carro.

Conteúdo médio de
alumínio por automóvel
2020 2025
conservador otimista conservador otimista
CAGR (1) 1,9% 2,9% 1,9% 3%
Crescimento (2) 7,7% 12,1% 18,3% 30,3%
(1) Taxa Composta Anual de Crescimento, desde 2016  (2) Taxa de crescimento em relação à 2016 // Ducker Worldwide

As diferenças entre os cenários conservador e otimista refletem a possível variação na taxa de penetração do alumínio em painéis de fechamento, estruturas e componentes de chassi e suspensão. Segundo a Ducker, essa variação também dependerá dos avanços em pesquisa e desenvolvimento, no que diz respeito à redução das emissões de CO2, das áreas de motor e transmissão. O uso mais ou menos intensivo do alumínio dependerá da necessidade de redução de peso para se atingir as metas impostas pela legislação (veja mais abaixo).

Laminados deverá ser o produto responsável pela maior penetração do alumínio na produção de automóveis, com aumento previsto de 110% nos próximos dez anos. Juntamente com os laminados, os extrudados também devem ter uma maior participação. “Apesar de encontrarmos crescimento no consumo de todos os produtos semi manufaturados de alumínio, os laminados e extrudados foram particularmente identificados como substitutos do aço, principalmente em painéis de fechamento e estruturas da carroceria”, explicou Woulter Vogelaar, da Ducker Worldwide.

Para esse estudo, a produção total de automóveis (veículos leves) considerada na Europa em 2016 foi estimada em 17.360.446 unidades.

Raio-X atual
O estudo da Ducker, realizado sob encomenda da European Aluminium Association, também fez uma avaliação da produção atual de automóveis na Europa. Os cinco modelos que mais utilizam alumínio de forma intensiva são do grupo Jaguar Land Rover. Com mais de 600 quilos de alumínio incorporado, quem lidera a lista é o utilitário esportivo Land Rover Range Rover, que em comparação com a geração anterior, na qual não havia uso intensivo de alumínio, é 400 quilos mais leve. Na sequência aparece outro SUV da marca, o Range Rover Sport, seguido por três modelos da Jaguar: o F-Pace, outro SUV, e os sedãs XF e XE – todos eles carregando mais de 400 quilos de alumínio. Em breve, outro modelo do grupo, o Discovery, adotará a mesma arquitetura e, assim, deverá também fazer parte desta lista. 

Outros seis modelos fazem parte do grupo de carrega mais de 300 quilos de alumínio embarcado, fazendo uso intensivo do metal leve: Audi Q7, Mercedes-Benz Classe S e E, BMW Série 7 e 5, e o Porsche Panamera.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Segundo o relatório, ainda foi detectado que a participação de produtos laminados cresceu significativamente nos últimos quatro anos, especialmente pelo seu emprego em painéis de fechamento e partes estruturais, atingindo a média de 27,2 quilos por veículo. Já a participação de produtos forjados e extrudados no total de alumínio consumido permaneceu relativamente estável nesse mesmo período.

Força da Lei
O crescimento da participação do alumínio no conteúdo dos automóveis será motivado, principalmente, pelas rigorosas metas européias de redução de emissões estabelecidas para os próximos anos (leia mais aqui sobre as regulamentações de emissões dos automóveis). A média registrada em 2014 foi de 123 gramas de dióxido de carbono (CO2) por quilômetro rodado e a legislação européia impõe que, em 2021, cada veículo produzido não poderá emitir mais do que 95 g/km. A preferência dos fabricantes pelo alumínio está intimamente ligada à sua leveza, já que o aumento de sua participação na composição do veículo reduz o seu peso, fazendo com que, consequentemente, seja necessário menos energia para movimentá-lo, emitindo menos CO2 – o estudo ainda calcula que o uso de 200 kg de alumínio em um carro pode reduzir as emissões em até 16 g/km.

gráfico com a perspectiva global de redução de CO2

Embora seja considerado de baixa toxicidade, o CO2 é o principal gás causador do efeito estufa. De acordo com estudo da Comissão Européia de Ações Climáticas, os automóveis são responsáveis por 12% das emissões desse gás na Europa. A regulamentação aprovada pelo Parlamento Europeu no final de 2013 é a mais rigorosa do planeta – por exemplo, a meta dos Estados Unidos é de 107,5 g/km em 2025. “O alumínio é, sem dúvida, parte integrante da transição que a Europa vive para uma sociedade de baixa emissão de carbono”, disse Dieter Höll, presidente do Conselho de Automóveis e Transportes da European Aluminium.

200 kg de alumínio por veículo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *